quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

No dia 22, ato marca um ano da desocupação do Pinheirinho


Às 5h30 da manhã do dia 22 de janeiro de 2012, mais de dois mil policiais invadiram violentamente a ocupação do Pinheirinho. A ação brutal deixou mais de 1.600 famílias desalojadas e causou comoção no mundo todo.

Para marcar a data de um ano da desocupação, um ato será realizado no próximo dia 22, às 18h, no Centro Poliesportivo Fernando Avelino Lopes, em frente ao terreno do Pinheirinho (Rua Walter Dellu, s/nº- Campo dos Alemães).

Quase um ano após a desocupação, o cenário no local e para as famílias ainda é de abandono. Nenhuma moradia foi construída pelo poder público e a situação dos ex-moradores ainda é precária.

O terreno, uma área de mais de um milhão de metros quadrados, voltou a ficar abandonado, sem cumprir qualquer função social. A Selecta, massa falida do especulador Naji Nahas, continua devendo milhões de reais em impostos e multas à Prefeitura.

As famílias covardemente expulsas de suas casas recebem hoje apenas o aluguel social, pago pelos governos estadual e municipal, mas muitas são obrigadas a juntarem seus benefícios para conseguir alugar uma casa.

“Temos o dever de nunca esquecer aquela violenta desocupação, para que não se repita tamanha crueldade. Mas nosso principal dever é seguir exigindo que o povo do Pinheirinho receba suas moradias e os responsáveis pela vergonhosa desocupação, sejam punidos”, afirma Antônio Ferreira, o Toninho, advogado e um dos líderes do movimento.

“Os poderosos pensaram que iriam destruir o movimento, mas nossa luta por moradia não acabou. O Pinheirinho e sua luta continuam vivos”, disse.

Não esqueça. será no dia 22, às 18h, no Centro Poliesportivo Fernando Avelino Lopes, em frente ao terreno do Pinheirinho (Rua Walter Dellu, s/nº- Campo dos Alemães)

domingo, 6 de janeiro de 2013

Pinheirinho, lembrar é resistir!

Assembleia no Pinheirinho
A violenta desocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos (SP), completará um ano no próximo dia 22 de janeiro. Para que não caia no esquecimento a ação bárbara do governo do Estado de São Paulo e da Polícia Militar, um ato será realizado no Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, a partir das 19h.

Um ano depois, os moradores ainda lutam por justiça. “Temos o dever de nunca olvidarmos, para que não venha acontecer novamente e, principalmente, exigir moradia para as famílias desalojadas e punição aos responsáveis, disse Antônio Donizete Ferreira, advogado e liderança da ocupação.

A principal característica do bairro era a sua forma de organização. Os moradores deliberavam, em assembleias, sobre questões de interesse específico da comunidade e sobre a atuação política na cidade, no estado e mesmo no país, como nas diversas marchas a Brasília da qual participaram. O PSTU atuava – e atua ainda hoje – na coordenação do Pinheirinho.

A organização e a politização do Pinheirinho provocaram a fúria do Estado e da polícia. No dia em que ocorreu a desocupação, os moradores ainda comemoravam uma trégua acordada na Justiça. Infelizmente, o governo federal, que podia ter efetuado a compra do terreno, nada fez. Ativistas, organizações políticas e sociais, personalidades e pessoas comuns se mobilizaram em solidariedade ao Pinheirinho no mundo inteiro. 

A desocupação
Na madrugada de 22 de janeiro de 2012, os nove mil moradores do Pinheirinho foram surpreendidos com a invasão da Polícia Militar para a desocupação do terreno. Mais de dois mil soldados, cavalaria, helicópteros, bombas de gás, balas de borracha e de fogo foram utilizadas contra trabalhadores que moravam no local há quase oito anos. A ação chocou pessoas no mundo inteiro por sua desumanidade.

As cenas eram de guerra. Famílias inteiras ficaram sem suas casas e foram levadas a abrigos semelhantes a campos de concentração. Foram registradas denúncias de estupro por policiais da ROTA no bairro vizinho, Campo dos Alemães. A violência também teve como consequência duas mortes, uma por atropelamento de um trabalhador e outra de um idoso causada diretamente por espancamento.

Foto:
O terreno ocupado em 2004 pertencia, supostamente, à massa falida da indústria Selecta, pertencente ao megaespeculador Naji Nahas. Além de dever os impostos da área aos cofres públicos, Nahas é um bandido de fama internacional, condenado por diversos crimes financeiros. Mesmo assim, nada foi feito para regularizar o bairro e entregar a terra aos moradores do Pinheirinho.

Durante os oito anos em que lá estiveram, estas famílias construíram um verdadeiro bairro, com igrejas, pequenos comércios e prestadoras de serviços. A comunidade também era conhecida por participar da vida política da cidade, como nos protestos contra aumento de salário dos vereadores e contra o aumento das tarifas de ônibus, por exemplo. No Pinheirinho, a maioria dos trabalhadores era formada por empregadas domésticas, metalúrgicos, garçons entre outros.

Te esperamos para construir nosso ato!

Dia 22 de Janeiro, terça-feira as 19h
Local:  Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (Rua Mauricio Diamante, 65 – Centro – São José dos Campos)


sexta-feira, 9 de março de 2012

MTST realiza atos de apoio às ocupações "Novo Pinheirinho" de Embu das Artes e Santo André


Para comemorar uma semana das Ocupações Novo Pinheirinho em Embu das Artes e Santo André, o MTST realizará atos político-culturais de solidariedade aos acampamentos. Não apenas para comemorar, mas principalmente em defesa das novas ocupações diante dos riscos de despejo.

Confira abaixo o calendários das atividades:

Sábado (10/03)
16 hs: Ato político-cultural na Ocupação Novo Pinheirinho de EMBU DAS ARTES
Local: Parque Pirajuçara, Embu, terreno conhecido como “Roque Valente”. Pode-se entrar no local pela Rua Indianópolis, próximo a campo de futebol.
Como chegar: Rodovia Regis Bittencourt / Saída de Embu / Avenida Rotary.

Domingo (11/03)
14 hs.: Ato político-cultural na Ocupação Novo Pinheirinho de SANTO ANDRÉ
Local: Rua Adriático, s/n - Jd. do Estádio - Santo André
Como chegar: Centro de Santo André / Rua Carijós / Rua Adriático

Já estão confirmadas as presenças de grupos musicais, sindicatos, parlamentares e de personalidades, como o companheiro Plinio de Arruda Sampaio. Para o MTST é fundamental a presença de todos que apoiam esta luta. 

A ocupação de Embu já conta com cerca de 2.200 famílias e a de Santo André com cerca de 700. Nos dois casos, já existem ações judiciais que pretendem despejar os trabalhadores em favor da especulação imobiliária. 

quinta-feira, 1 de março de 2012

Ato-show marca oito anos do início da ocupação Pinheirinho

Clique para ampliar
O Movimento Urbano dos Sem-Teto (MUST) vai realizar, no próximo sábado, dia 3, um ato-show em comemoração aos oito anos de ocupação do Pinheirinho.  Mesmo depois de terem sido expulsos de suas casas, no dia 22 de janeiro, os moradores se mantêm na luta pela desapropriação da área.

O ato “Somos todos Pinheirinho” vai reunir, no Campo dos Alemães, artistas, sindicalistas, moradores e integrantes de movimentos populares. Estão programados shows do rapper GOG, Poesia Banda Soul, Preto Soul, Lurdez da Luz, Forró Nova Onda, Veja Luz, Wesley Noog e Zinho Trindade.

Também haverá uma mostra de vídeos produzidos por profissionais e amadores, que retratam a desocupação do Pinheirinho. O cineasta argentino Carlos Pronzato vai realizar, durante o ato, o lançamento do filme “Pinheirinho: tiraram minha casa, tiraram minha vida”.

Toda a programação acontecerá no chamado “campão”, onde teve início a ocupação do Pinheirinho, em 2004.

O “campão” fica na Avenida Adonias da Silva, no Campo dos Alemães. O ato será das 15h às 22h.

Histórico
A Ocupação Pinheirinho completou oito anos no dia 26 de fevereiro. Antes da violenta ação que resultou na expulsão das famílias há um mês, a área servia de abrigo para cerca de 9 mil moradores. Mesmo sem qualquer estrutura garantida pelo poder público, as famílias construíram suas próprias casas, igrejas e pontos comerciais.

A área só foi ocupada em razão do déficit habitacional crítico existente em São José dos Campos. Famílias que durante anos aguardavam na fila da CDHU decidiram, na época, transformar a área abandonada em um lugar para construírem suas casas.

Ao longo dos anos, moradores travaram-se uma dura batalha judicial que resultou na reintegração de posse determinada pela juíza da 6ª Vara Cível de São José dos Campos, Márcia Loureiro.

“Apesar da reintegração de posse, os moradores não desistiram da luta. Mesmo a truculência da PM e o autoritarismo do prefeito Cury e da juíza Márcia Loureiro não conseguiram acabar com a unidade dos moradores. Nossa luta permanece até que cada uma das famílias consiga recuperar o direito a sua parte no Pinheirinho. Queremos que o governo federal desaproprie o Pinheirinho”, afirma Valdir Martins de Souza, o Marrom.

Clique para ampliar

Olha só...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

ATO-SHOW #SOMOS TODOS PINHEIRINHO


Além dos shows e pronunciamentos, teremos o lançamento do filme:

PINHEIRINHO: TIRARAM MINHA CASA, TIRARAM MINHA VIDA
(40 min.) 
direção: Carlos Pronzato
edição: Flávio Galvão
produção: Rafael Beverari (Felco/SP) e Cinescadão
realização: La Mestiza audiovisual

E EXIBIÇÃO DE OUTROS DOCUMENTÁRIOS SOBRE O PINHEIRINHO

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Carnaval de São José tem Pinheirinho neste sábado

Carro alegórico tem Cury destruindo Pinheirinho
A desocupação do Pinheirinho e a luta por moradia estarão no desfile do bloco de carnaval Acorda Peão, da CSP-Conlutas.

A concentração está marcada para sábado, dia 18, às 10h, na Rua Francisco Paes, 316, Centro. De lá, os foliões seguem para a rua 15 de novembro.

O Acorda Peão abre o tradicional desfile de blocos da cidade, com o samba-enredo “Covardia Nacional”.

Um dos carros alegóricos representará um trator destruindo uma casa do Pinheirinho. Na condução do trator, a caricatura do prefeito Eduardo Cury (PSDB).


Samba-enredo: Covardia Nacional
Autor: Renato Bento Luiz



A moradia é um direito constitucional
Atacaram o Pinheirinho, covardia nacional
Alckmin e Cury sujaram de sangue este chão
Promessa de casa é até passar a eleição

Sou vereador da situação
Fiquei quietinho, o Pinheirinho está no chão
Pinheirinho e estudante é um tormento
Se juntaram e derrubaram meu aumento

Desaproprie o Pinheirinho
Dilma vem pra luta agora
Pra mostrar a diferença dos tucanos
tá na hora

Prefeitura e a Justiça
Comando do batalhão
Mete bala em inocente
e liberta o ladrão

É Carnaval e o bandido vai pra farra (BIS)
gastar a propina do Naji Nahas

Falou Eliana Calmon
Espalha rápido essa droga
Em São José já tem bandido de toga

Vai ter punição, isto é Brasil
Só que ela vem lá em 1º de abril

A moral desta gente não se mede (BIS)
Dizia Cazuza: a burguesia fede